«RETRATO DE LOUIS-FRANÇOIS BERTIN, 1832», INGRES

Jean_auguste_dominique_ingres-monsieur_bertin
Jean-Auguste Dominique Ingres, Monsieur Louis-François Bertin, 1832

Tinta

«RETRATO DE LOUIS-FRANÇOIS BERTIN, 1832», INGRES

esmaga-nos o peso das mãos abertas,
como se à mistura de vidro, prata, alumínio e água
a voracidade do olhar
se acrescentasse

Paris, abril de 2011

COMPARTMENT C, CAR 193

Edward Hopper, Compartiment Car, 1938
Edward Hopper, «Compartiment C, Car 193», 1938

COMPARTMENT C, CAR 193

oh, a América profunda, essa metáfora que Hopper
tinha no pensamento, quando em 1938 pintou
as entranhas da solidão

quem é essa mulher por quem nos apaixonamos
obliquamente? como dizer não
a esse negro aveludado da roupa ao entardecer?

oh, a América! esse verme gordo engolindo
paisagens! e eu estava dentro dele em 1938, quando
Hopper pintou a minha própria solidão

NATUREZA MORTA

Jean-Baptiste-Siméon Chardin, «Frutas, Jarro e um Copo - Natureza Morta», 1728

Jean-Baptiste-Siméon Chardin, Frutas, Jarro e um Copo – Natureza Morta, 1728

Tinta

NATUREZA MORTA

água vertida no fundo de um copo, quietíssima,
meia broa rodeada de frutos silvestres ao estilo de Chardin,
todas as impurezas e insetos retirados de cena,
extraídas todas as discrepâncias e traços excessivos,
nenhuma palavra e apesar disso a exatidão,
nenhum movimento e ainda assim constrangido o rosto

hipnotizados pelo instante, pelo apelo do silêncio fulgurante,
estudamos o pequeno esqueleto de cada gesto,
a fulgência inerte do pensamento,
nem um abelhão zumbidor atravessando-se na luz,
nem uma só rasura chicoteando na sombra,
uma natureza morta, nascida em cada ângulo do olhar